quinta-feira, 6 de junho de 2013

Golpes de Wing Chun: GAHN





Depois de algumas semanas sem internet e após um treino em meu Mo Gwoon extremamente proveitoso com meus alunos, e ainda sob o efeito geral de felicidade que decorre nestas ocasiões, estávamos pensando em tirar algumas fotos, mas eu queria algo que não fosse tão óbvio nestes tempos de vídeos e mais vídeos que pretendem mostrar e explicar tudo, de forma que muita gente hoje consegue construir escolas de luta simplesmente copiando movimentações fartas de estilos na internet. Ironicamente um vídeo da equipe de demonstração da Applied Wing Chun Internacional, com alguns de meu SiBaak (Tio-mais-velho na fam[ilia kung fu)
disseminado está semana pelo facebook mostrava uma combinação muito boa com uma técnica que pouca gente consegue fazer bem, ou pelo menos entender-lhe o conceito. Sendo assim, pensando em muitos de meus alunos que estão na fase intermediária de Sil Lin Tao para Chum Kiu, resolvi escrever sobre o conceito de Gahn, que é expresso em todas as fases do sistema.





Sifu Marcos demonstra Seung Gahn Sao no Sil Lin Tao (foto 1) como foco de energia para baixo. Na sequencia acima, no final da forma trabalhando a "raspagem" com objetivo de cobrir a área baixa. Abaixo, Gahn Da, uma das formas mais simples dos iniciantes associarem ideias de como "montar" técnicas com os elementos soltos nas formas de Wing Chun, sempre um convite ao insight intuitivo.




"Gahn" ( 耕 ) pode ser traduzido como "Arar", pois quando o movimento é completo (quando utiliza as duas mãos) mimetiza o gesto do verbo, e é um dos principais conceitos defensivos do Wing Chun. Porém, curiosamente esta defesa muitas vezes se utiliza de um recurso que nós praticantes devemos evitar sempre que pudermos: usar força contra força. Essa defesa é o primeiro gesto técnico defensivo conceitual apresentado na forma Sil Lin Tao, e, neste primeiro momento, cobre a região que vai do esterno até a cintura pélvica. No primeiro nível, a defesa, complexa, é montada de seu modo mais simples, defesa baixa com soco, e a defesa superior é treinada separadamente em outra sequência (vide blog do Dido "três ataques) e eu acredito particularmente que foi o gesto simples de cobrir a parte baixa e bater ao mesmo tempo que tenha gerado a defesa sofisticada que fazemos hoje, influenciada também pelo gesto natural de defesa que nós fazemos quando atacados  na parte superior do corpo sem, entretanto, estar num ângulo favorável para direcionar a defesa para o ataque em curso. Isso força que se cubra toda a área, especialmente quando se enfrenta um agressor armado. Esta ideia é particularmente útil quando utilizamos as Baat Jaam Dao (Faca de Oito Cortes), que sempre trabalham em conjunto, como veremos adiante. 







Nas fotos acima podemos ver a forma completa do conceito defensivo "Gahn Sao" (vista frontal e lateral) e, em seguida, "Siu Gahn Sao", esta ultima uma variação de emergência que segue o mesmo conceito da defesa original. 








Acima, SiFu Marcos demonstra com detalhes sua execucao pessoal de uma combinação técnica: Gahn Sao cobrindo a parte baixa, seguido de defesa Jip Sao, soco Din Choi e chute Dang Gerk

A forma completa da defesa Gahn Sao ( 耕手 ) é apresentada formalmente ao praticante a partir da terceira forma, Biu Je, forma na qual o lutador de Wing Chun foca no treinamento para situações de emergência, tendo de cobrir a sua "linha" de diferentes ângulos e posições. Nesta forma, muitos conceitos cristalizados durante a primeira e segunda forma devem ser adaptados para ajustarem-se a realidade, por isto Gahn Sao quando mostrado na sua forma mais defensiva supõe que o executante nao teve outra opção senão cobrir toda a área passível de dano. Uma variação sutil desta defesa, Sil Gahn Sao ( 小耕手 ), que é feita naturalmente quando algo dá "errado" é treinada a partir daí, sendo uma das defesas mais repetidas na forma Muk Yam Jong (Boneco de Madeira).

Tentar fechar toda uma área do corpo ao ataque traz consequências, especialmente se voltamos todo o nosso corpo para realizar a defesa; por isso a melhor forma de voltar ao equilíbrio defensivo com as mãos é mudar a postura do corpo para que o agressor, que teve a vantagem do ataque surpresa, não encontre brechas para o ataque (vide combinação dois a dois acima, e mais vídeo com a técnica).






Nas fotos acima, SiFu Marcos demonstra respectivamente Gahn Sao e Siu Gahn Sao em Muk Yam Jong. 





Uma bonita sequencia em que SiFu Marcos demonstra uma possivel interpretacao do conceito em Luk Dim Boon Kwan (1 e 2), arrematando de forma mortal com Biu Kwan. Para quem chegou aos niveis superiores dos sistema e estranhou SiFu Marcos com o cotovelo levantado em Biu Kwan, vide matéria sobre esta arma neste Blog.



Abaixo, SiFu Marcos defende um ataque pra la de amador de um aluno iniciante com sua velhas e enferrujadas facas de treino (sem fio), para ilustrar o conceito de Gahn Dao em Baat Jaam Dao (Facas de Oito Cortes). Repare que a defesa e forte para suportar um ataque pesado, por isso a arma tem uma guarda extra na empunhadura caso o ataque passe pelo meio da defesa.



Por fim, SiFu Marcos agradece a seus queridos alunos Ilo e Telmo que ajudaram a fazer esta matéria depois da aula, madrugada a dentro, sem internet, sem editor de fotos. Cansados e felizes. Dedico esta matéria a meus alunos pelo Brasil, em especial a Dido, Fernando e Kalil.










7 comentários:

Dido disse...

Muito bom Sifu!Pode ter certeza de que vou ler, reler, re-reler, treinar,praticar,testar e repetir tudo de novo e de novo, ir pra frente e pra trás nesse assunto.E não só nesse assunto,mas em todos os basics que venho aprendendo. È um bom conteúdo e que já está nos meus arquivos impressos aqui.Muito obrigado pela citação, tem horas em que a gente se sente desmotivado,mas ao fim de um dia difícil e encontrar uma citação assim nos dá novo gás.

Abs.
Dido

cacos e coisas disse...

Sifu. Quando realizo esta defesa, me finto como no karaté (força contra força). Em especial falo sobre os chutes. E é aí que eu duvido da capacidade desta técnica. Sinto que não sustenta, que pode até quebrar o braço dependendo do tipo de chute. Imagino muito os chutes da capoeira que, além de muito eficientes e variados,são parte de uma arte muito popular no país e que os praticantes podem se defrontar com este tipo de adversário.
Gostaria de ler algo sobre isso.

Sinto que o sifu respeita sua arte popularizando a sua essência até porque realmente domina o que pratica (diferente dos charlatões, que "escondem um segredo milenar")
Parabéns.

Ilo disse...

Gostei Sifu, sucinto e claro como chi sao! rs... Eu é que agradeço a oportunidade de poder estudar cada técnica passo a passo e refletir como ela funciona!

Gostei também da observação do "cacos e coisas", que está parcialmente respondida, mas gostaria comentasse. Especialmente porque eu gosto muito dessa defesa. Aliás, de todo o repertório de "defesas de emergência"! Já que o objetivo é sair do aperto e da crocodilagem.

Além disso, outro ponto que gostaria de comentário é sobre avançar gahn sao, como treinamos kwan sao. Encurtar a distâcia enquanto se faz gahn sao tem algum descuido em particular?

E, outra pergunta, se usarmos o mesmo gesto de braços para fazer uma captura de perna, por exemplo, usaremos o mesmo nome para a técnica?

SiFu Marcos. disse...

Caro "Cacos e Coisas" (seria bom ter um nome de Deus para comentar, rs) quero agradecer pelo comentário e participação.

Eu teria de ver como você executa essa defesa para ser mais preciso. Eu parto da realidade técnica que eu vivo em particular para escrever. Se você fosse em algumas escolas de Wing Chun de outros ramos, não seria surpresa se lhe dissessem que esta técnica não serve para defender chute. Aqui no Brasil a maior parte dos praticantes tenta imitar SiFu Li Hon Ki e exagera na concentração de força no cotovelo na defesa de baixo. Se o sujeito que te chuta usar canelada debaixo para cima o chute pode talvez não quebrar seu braço, mas deslocar seu ombro. Eu uso o Gahn Sao de baixo "espalhando" a canelada, desde que comecei a lutar contra o pessoal do Thai ainda aqui no Brasil. Quando fui ao exterior vi que o pessoal já fazia dessa forma.

Já a defesa de cima é mais difícil quebrar o braço, apesar de ser ela quem faz mais a força contra força, pois ela deve usar prioritariamente o cotovelo, uma das partes mais duras do corpo humano. Eu particularmente sinto dor ao fazer a técnica, mas geralmente eu me machuco mais por proteger meus alunos do meu cotovelo, uma vez que para que o agressor aguente treinar isso ele deve ter, no mínimo, dois protetores da melhor qualidade.

Uma vez usei essa defesa na capoeira, e o colega caiu no chão urrando de dor. Eu entretanto não a usaria deliberadamente contra uma armada de costas ou golpe equivalente mais lento e pesado. Não acho inteligente tentar segurar golpes deste tipo.

Abraço, Marcos.

SiFu Marcos. disse...

Ilo,

É meio complicado você vir me perguntar sobre esta defesa, porque eu a tenho treinado com você e hoje você é cara que menos erra essa técnica na escola, menos até do que eu, uma vez que a maior parte das pessoas não defende bem um dos lados, mas eu obrigue meus alunos a executarem dos dois lados (a menos que o aluno esteja focado em competição)para objetivos de defesa pessoal e você faz bem os dois. Eu tava pensando que o "Cacos e Coisas" era você!

Já apliquei o Gahn Sao avançando contra chute combatendo contra alguns parceiros do passado mais pesados e fortes. Neste caso há tempo para trocar a base rapidamente (para a defesa pessoal ela recua ou avança com Toy Mah, que é como a pessoa agirá instintivamente).

Tem gente espalhando aos quatro ventos que sou um cara "teórico", mas você sabe que o a gente escreve é resultado do nosso treino e combates, na academia ou lá fora. Sendo assim, uma vez que a técnica tá até mesmo saindo no light sparring (particularmente não gosto), vamos treinar isto esta semana, não? A precaução aí é junto com o avanço e troca de base já interceptando o segundo golpe, ocorra ele ou não. A técnica que sempre usei com sucesso nessas ocasiões foi I Don Ji Da. Ela e uma boa opção pela "porta de fora" (Oi Moon) e funciona particularmente bem contra jab direto. Quase aplico em João no sparring do sábado (parou na primeira defesa)...

Abraço!

Ilo disse...

Obrigado, sifu!
Depois do treinão de segunda, vamos ver se encaixo hoje!
E se alguém lhe chamou de "teórico" de forma pejorativa, certamente essa pessoa não lhe conhece! (ou é desonesta...)
Deveria ter dito: "O sifu Marcos aplica a coisa toda, e ainda explica como fazer", mas a fraqueza de espirito, ou de carater, faz isso com as pessoas. Melhor deixar.pra lá.

Até breve!

SiFu Marcos. disse...

Então Ilo,

Tem gente que a gente ajuda, e depois temos de ficar a ouvir este tipo de coisa. Eu prefiro ouvir falar mal de mim de quem não conheço, que é sinal de crescimento, do que de quem vem à escola e nós, de coração, tentamos passar um pouco do conhecimento, porque demonstra ingratidão. E é indicativo de que temos de fazer sempre o "choque de realidade" para todo mundo que vem aqui. Mas eu já estou ficando velho pra isso, então vamos focar no que importa, que essa grande empresa de colocar uma arte em combate livre, a que nos propomos este ano, para pegarmos estes conceitos teóricos que já supomos dominar fazermos a arte viver através de nossos braços e pernas. Quem sabe em breve você ou João num futuro próximo não sejam os próximos examinadores da família? Tivemos uma ótima semana de treino, vamos corrigir os erros e seguir em frente.

Para os demais leitores fica aí o mesmo recado que deixei nas comunidades em que participo. Os textos agora exigirão uma participação maior dos leitores. Uma parte importante dos "insights", "sacadas" que tive no Wing Chun, que depois viraram normas de treinamento, artigos e livros, partiram de raciocínios espontâneos de meus alunos, que me intrigaram e fizeram pensar, às vezes por dias ou meses. Espero que as pessoas arrisquem e contribuam para a evolução dos textos.

Abraço,

Marcos.